A Póvoa de Lanhoso recebeu pela primeira vez uma reunião descentralizada do Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Ave (CIM do Ave).

Nesta reunião, que ontem decorreu nos Paços do Concelho, participaram os Presidentes dos oito Municípios que fazem parte deste órgão, designadamente os Presidentes da Câmara Municipal de Guimarães (que é também Presidente do Conselho Intermunicipal da CIM do Ave), Vizela, Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto, Fafe, Mondim de Basto, Vila Nova de Famalicão e Póvoa de Lanhoso. Da ordem de trabalhos desta reunião faziam parte três pontos que foram aprovados por unanimidade.

O Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Frederico Castro, agradeceu a todos os Presidentes a presença e referiu que os municípios se devem orientar pela linha estratégica da CIM do Ave, mas ao mesmo tempo, fazer-se notar pelo que têm de único e diferenciador, no caso da Póvoa de Lanhoso “estamos apostados em realçar o que temos de mais valioso, a Filigrana, o Castelo de Lanhoso, a História da Maria da Fonte que é única”.

No final da reunião, Domingos Bragança, Presidente da Câmara Municipal de Guimarães e Presidente do Conselho Intermunicipal da CIM do Ave, referiu que esta reunião foi a segunda reunião descentralizada que se realizou no âmbito da CIM.

Acrescentou que “estão a ser trabalhados projetos da CIM do Ave e todos os Municípios têm recursos endógenos potenciais para o futuro que os distinguem excecionalmente. É esse trabalho, que nestas reuniões descentralizadas, queremos aprofundar. Com políticas públicas comuns da sub-região do Ave e tendo em conta o conhecimento cada vez maior no terreno e nomeadamente daqui da Póvoa de Lanhoso, nós podemos potenciar candidaturas em diversas áreas, como a economia, turismo, cultura, educação, etc. Somos oito concelhos e sabemos que o crescimento de um é parte da soma do crescimento de todos. Temos que conseguir políticas bem articuladas que façam crescer todos e assim estaremos a promover uma sub-região com um potencial excecional. E a Póvoa de Lanhoso é um exemplo disso com os seus recursos endógenos, mas queria essencialmente valorizar aqui, hoje, o seu valor histórico, e das suas gentes, que através da Maria da Fonte nos inspira a todos a vencer os desafios de hoje”.

E um dos grandes desafios é a ajuda na resolução da situação dos refugiados ucranianos, acrescenta o edil de Guimarães, dizendo que “estamos a trabalhar, para que, num cenário que se possa tornar ainda mais difícil, possamos acolher de braços abertos refugiados, mas de uma forma integrada, garantindo que crianças e jovens vão à escola, que os adultos possam encontrar postos de trabalho. Apesar de haver muitos voluntários, cabe depois à CIM do Ave coordenar todos estes esforços, conferindo-lhe um caráter institucional, de modo a que sejam integrados com os organismos do Estados, garantindo que toda esta operação seja executada com profissionalismo e rigor, perdurando harmoniosamente através do tempo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here